Tornar-se comerciante do ramo alimentar, uma escolha acertada!

12 de Abril de 2015

 

O comércio é um ramo de atividade que continua a recrutar novos interessados. Independentemente das razões para entrar nesta atividade, múltiplas e muitas vezes pessoais ou partilhadas pelo núcleo familiar direto, esta escolha é uma escolha certa para quem quer empenhar-se corpo e alma numa atividade sempre em movimento e muito polivalente.

 

Quais são os elementos de sucesso?

O sucesso é o resultado final, é o que se obtém no fim da linha ou seja, primeiro é preciso certificar-se da qualidade dos ingredientes de partida.

1-       O sucesso é o resultado de um empenho pessoal - A atividade retalhista é uma atividade exigente.

Exigente em termos de disponibilidade. É preciso contemplar a vida de uma loja “portas abertas” e a vida da loja “portas fechadas”.

Os horários de uma loja devem corresponder ao ritmo de vida dos consumidores, futuros clientes da loja. Os horários de abertura de uma loja devem estar em consonância com a atividade da zona de atração de uma loja.

Fora dos horários de abertura de uma loja é preciso tratar das tarefas relacionadas com a gestão administrativa da empresa ou seja, por exemplo, tratar dos colaboradores em termos de gestão do recrutamento, das folgas, das baixas etc., tratar das tarefas de gestão comercial, marketing, contabilística e financeira.

 

2-       O sucesso é o resultado de uma boa capacidade de relacionamento comercial com os clientes. A pessoa que escolhe uma atividade profissional, na qual o cliente é uma das peças-chave, deve ser capaz de empatia, deve ser capaz de perceber as expetativas e as motivações dos seus clientes e, ser capaz de detetar o que pode provocar inibições ou retração no momento da compra. A capacidade de perceber o cliente terá pesadas consequências no momento de escolher as características da loja em termos de organização, de definição do circuito e de distribuição das categorias e ainda, em termos de escolha do sortido, de política de comunicação e de política de preço.

 

3-       O sucesso é o resultado de uma boa localização do Ponto de Venda. O valor de uma loja é extremamente função da sua capacidade em atrair clientes. Uma loja mal localizada, mesmo se for bonita, com um sortido bem refletido, bem implantada com um grau elevado de higiene e limpeza e uma equipa de colaboradores virada pelos clientes, terá enormes dificuldades em vencer.

 

4-       O sucesso é o resultado da escolha de um bom projeto. Não se trata aqui de dizer que tal projeto é pior ou melhor, trata-se apenas de chamar a atenção dos retalhistas ou futuros retalhistas sobre um facto; a escolha de um projeto de loja deve ser compatível com as capacidades e as expetativas pessoais do empresário.

 

5-       O sucesso é o resultado da adequação da capacidade financeira do retalhista ou do futuro retalhista ao projeto em si, pois cada empresário deveria pesar cada ação em função da sua capacidade financeira. Ultrapassar os limites, raramente dá bons resultados

 

 

 

Escolher a sua forma de comércio

O retalhista ou futuro retalhista pode escolher várias formas de comércio segundo as suas próprias aspirações, desejos ou inibições.

Nenhuma decisão é errada em si, diferentes formas de comércios existem e podem ser escolhidas em consonância com as características intrínsecas de cada comerciante.

Existem 3 formas de comércios de base que permitem, a cada um, optar pela solução que for mais conveniente, sabendo que:

O comércio independente: Comércio detido por um retalhista totalmente independente. Ele define sozinho a estratégia a seguir e as táticas a pôr em prática para maximizar as vendas e a rentabilidade da sua Loja. Ele não deve satisfações a ninguém e pode fazer as suas compras onde lhe apetecer.

O comércio associado: Comércio detido em parte ou na sua totalidade por um retalhista que faz parte de um conjunto, partilhando meios comuns na ótica de beneficiar de regalias ou vantagens, por exemplo comerciais ou de marketing, regalias que isoladamente não conseguiria obter. Existem várias formas de comércio associado, que vão desde a associação simples e pouco exigente até modelos que criam relações rígidas entre os associados, ou entre os associados e a Empresa promotora do projeto.

O comércio integrado: Comércio detido por uma entidade, que pode ser uma Empresa, um grupo de pessoas ou um indivíduo. As decisões são tomadas pela direção, e aplicam-se de forma igual a todos os elementos do grupo. Cada loja tem à sua frente um responsável, nomeado para a função, assalariado, e devendo respeitar e aplicar as decisões tomadas pela direção.

 

Um retalhista ou futuro comerciante, empresário independente, pode escolher entre a forma do Comércio independente e a forma do Comércio Associado. São as únicas formas que lhe permitem ter a gestão independente ou autónoma de um Ponto de Venda.

Se as formas do comércio independente e integrado não deixam dúvidas em relação à independência total que pode ter um retalhista em relação a qualquer estrutura ou, à integração total numa estrutura rígida e totalmente verticalizada, a forma de comércio associado obriga a uma reflexão, pois o comércio associado pode revestir varias subformas dando mais ou menos autonomia e liberdade aos retalhistas em relação à estrutura. Daí a necessidade, para os candidatos ao comércio associado, de bem conhecer os contornos do projeto ao qual querem aderir.   

 

 

No universo da UniMark, central de competências que anima e faz evoluir o conceito que tem como insígnia “Aqui É Fresco”, as soluções para entrar no ramo do comércio alimentar são várias e permitem aderir à insígnia “Aqui É Fresco” de forma direta ou de forma progressiva, segundo as motivações ou inibições de cada empresário.

 

Para quem quiser entrar no ramo do retalho alimentar, mas que por razões diversas não pode ter uma loja própria imediatamente, a solução pode passar por uma forma de comércio híbrida, entre o comércio integrado e o comércio associado, que é o sucursalismo. O sucursalismo é uma fórmula comercial na qual o espaço de venda pertence a uma entidade “ mãe”, grossista ou retalhista, que cede este espaço de venda para exploração, a uma pessoa ou a um casal. Neste caso, a(s) pessoa(s) que explora(m) o Ponto de venda, fica(m) subordinada(s) às políticas comerciais, de marketing e de gestão da entidade que cede a exploração.

 

Obter informações complementares

Para mais informações, pode contatar a UniMark para obter o contato do grossista associado mais perto de si e, entrar em contato com o responsável do cash associado encarregado do desenvolvimento da rede de lojas retalhistas.

 

Contactos úteis:

http://aquiefresco.com/rede-de-lojas

http://unimark.pt/

 

Carla Esteves diretora do projeto Aqui É Fresco

carla.esteves@unimark.pt

 

Bom trabalho

RB